Meningite B: tudo que você precisa saber!

Tempo de leitura: 4 minutos

Vacinação das crianças contra meningite B! Vacine as crianças, vacinar salva vidas!
Meningite B: vacinação das crianças!

A meningite B está em segundo lugar entre as causas de doença meningocócica invasiva, sendo responsável por cerca de 20% dos casos em todas as faixas etárias! Crianças de até 5 anos são as principais vítimas dessa doença inflamatória, que contabilizou mais de 3 mil mortes em 2018, segundo o Ministério da Saúde.

A doença atinge as membranas da medula espinhal e do cérebro e pode ser letal ou deixar sequelas. Entre os sobreviventes, 2 em cada 10 convivem com surdez, paralisia ou amputação de membros.

Ela é transmitida através de beijos, tosse, espirro ou compartilhamento de itens pessoais, como copos e talheres. Por isso, o convívio próximo com pessoas em ambientes fechados e mal arejados facilita a transmissão da doença.

O que causa meningite?

A meningite, como é sabido, pode ser causada por vírus, fungos ou bactérias, sendo a viral sua forma mais comum e menos grave. A meningite fúngica é muito rara e atinge normalmente pacientes de AIDs e câncer. 

Já quando é uma bactéria que causa a doença, o quadro é mais grave, apesar de ser mais raro. A meningite pode ser causada por diversas bactérias, entre elas:

  • Neisseria meningitidis (meningococo)
  • Streptococcus pneumoniae (pneumococo)
  • Haemophilus influenzae
  • Mycobacterium tuberculosis
  • Streptococcus sp. B
  • Listeria monocytogenes
  • Escherichia coli
  • Troponema pallidum

A bactéria meningococo é reconhecidamente a que mais gera casos graves. No Brasil, são 5 os subgrupos mais comuns de meningococo: A, B, C, W e Y.  Cada tipo de bactéria pode causar uma infecção de gravidade diferente, e sua incidência varia conforme a região do país. 

O meningococo B é, hoje, responsável por aproximadamente 20% dos casos em todas as idades.

Vacina meningocócica B

A vacina meningocócica B possui quatro antígenos do meningococo B e não é uma vacina conjugada. Ela é produzida por uma tecnologia conhecida como vacinologia reversa, que através do sequenciamento genômico da bactéria identificou alguns desses antígenos comuns à maioria das diferentes cepas de meningococo B circulantes no mundo. No Brasil, essa combinação de proteínas subcapsulares permite estimar uma cobertura de cerca de 80% dos meningococos B que ocorrem no país.

A vacina é indicada para imunização a partir de 2 meses até os 50 anos de idade contra a Neisseria meningitidis do grupo B, e é contraindicada apenas para casos de anafilaxia a algum componente ou dose anterior da vacina.

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) recomenda que a vacinação meningocócica B comece o quanto antes, devido ao risco da doença no primeiro ano de vida. Lactentes, crianças e adolescentes ainda não vacinados devem iniciar assim que possível, seguindo o seguinte esquema de doses:

Faixa etária de início da vacinaçãoNúmero de doses do esquema primárioIntervalo entre dosesReforço
3 a 11 mesesDuas dosesDois mesesUma dose entre 12 e 15 meses
12 a 23 mesesDuas dosesDois mesesUma dose, com intervalo de 12 a 23 meses da última dose
A partir dos 24 mesesDuas dosesUm mêsNão foi estabelecida a necessidade de reforços
Esquema de vacinação contra meningite B!
  • Para adolescentes não vacinados antes, a SBP e a SBIm recomendam duas doses com intervalo de um mês.
  • Para adultos com até 50 anos, em situações que justifiquem: duas doses com intervalo de um mês.
  • Grupos de alto risco, como pessoas vivendo com HIV, portadores de asplenia anatômica ou funcional, que tenham deficiência de complemento ou em uso de eculizumabe ou outros medicamentos biológicos que interferem na via do complemento: três anos após completar o esquema, tomar uma dose de reforço.
  • Cuidados antes, durante e após a vacinação:
    • A administração de paracetamol antes ou logo após a vacinação pode reduzir o risco de febre e não interfere na resposta imune à vacina.
    • Não são necessários outros cuidados especiais antes da vacinação.
    • Em caso de febre, deve-se adiar a vacinação até que ocorra a melhora.
    • Compressas frias aliviam a reação no local da aplicação.
    • Qualquer sintoma grave e/ou inesperado após a vacinação deve ser notificado ao serviço que a realizou.
    • Sintomas de eventos adversos persistentes, que se prolongam por mais de 24 a 72 horas (dependendo do sintoma), devem ser investigados para verificação de outras causas.
    • Evitar aplicação simultânea com as vacinas tríplice bacteriana, pneumocócica conjugada, Haemophilus influenzae tipo b, poliomielite e hepatite B, para reduzir chance de febre alta após a vacinação.
    • Pode ser aplicada no mesmo momento em que as vacinas meningocócicas ACWY ou C.

Fontes: Ministério da Saúde, Portal Família SBIm e “Informe Técnico da Vacina Meningocócica B – Comissão Técnica de Revisão de Calendários e Consensos (SBIm)”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *