Sintomas de pneumonia que podem passar despercebidos

Tempo de leitura: 8 minutos

Conheça os sintomas de pneumonia que podem passar despercebidos. Para falar sobre o assunto, confira o artigo produzido pela Dra. Silvia Helena Viesti Nogueira

Já falamos sobre diversos conteúdos sobre os sintomas de pneumonia. Para compreender melhor e enriquecer as informações sobre essa doença, confira o artigo abaixo:

Quais são as principais diferenças entre os sintomas de pneumonia infantil e adulto?

Em adultos:

A pneumonia de origem bacteriana em um adulto é mais fácil de identificar, quando comparado com a doença em crianças. Isso acontece porque os sintomas são mais claros.

São eles:

•    Febre alta;
•    Tosse;
•    Dor no tórax;
•    Alterações da pressão arterial;
•    Confusão mental;
•    Mal-estar generalizado;
•    Falta de ar;
•    Secreção de muco purulento de cor amarelada ou esverdeada;
•    Toxemia (danos provocados pelas toxinas carregadas pelo sangue);
•    Fraqueza.

Em crianças:

Já em crianças, os sintomas não são identificados com a mesma facilidade, principalmente as menores de 5 anos. Isso acontece porque os sinais não são apresentados com a mesma frequência.

São eles:

  • Febre alta de difícil manejo;
  • Tosse;
  • Prostração e perda de apetite;
  • Falta de ar;
  • Gemência;
  • Cansaço;
  • Batimento de asas do nariz;
  • Retração intercostal (retração das costelas quando ocorre a respiração);
  • Desidratação;
  • Vômitos.

É muito comum as crianças desenvolverem a pneumonia provocada por vírus. Nesse caso, os sintomas de pneumonia passam mais despercebidos ainda, porque simulam um resfriado ou até mesmo uma gripe. O que diferencia é que a febre não costuma ser alta e os sintomas de pneumonia são menos intensos.

Já a pneumonia bacteriana em crianças costuma ter sinais e sintomas de pneumonia mais intensos, como febre alta, maior prostração e queda do estado geral.

O diagnóstico geralmente é feito na consulta ao analisar o raio-x do tórax. Nesse exame o médico identifica se a pneumonia é bacteriana ou viral.

raio-x
O exame de raio-x costuma ser o mais indicado para confirmação de pneumonia

Há sintomas de pneumonia silenciosos?

Sim. Esses sintomas de pneumonia são mais frequentes nos idosos e crianças pequenas. Nesse caso, eles apresentam apenas febre e sinais inespecíficos como vômito, desidratação, prostração e falta de ar.

Em pacientes imunodeprimidos há ausência de febre e até mesmo de expectoração. Assim, a pneumonia pode ser suspeitada apenas pelo precário estado geral do paciente e diagnosticada depois de exame físico e exames complementares.

Sendo uma doença contagiosa, como identificar se a outra pessoa está com pneumonia?

Ao contrário do vírus da gripe, as bactérias que causam as pneumonias bacterianas não são altamente transmissíveis. É preciso que o paciente tenha algum fator de risco que predisponha a infecção pelas bactérias e essas cheguem aos pulmões. Podemos destacar:

  • Idade: é mais frequente em pessoas maiores de 60 anos ou bebês menores de 2 anos;
  • Nutrição: pacientes obesos ou desnutridos têm maior risco de adquirir pneumonia;
  • Portadores de doenças que aumentam o risco de infecções como: diabetes, cardiopatias, nefropatias, distúrbios neurológicos, asma, hepatopatias, doenças hematológicas, imunodepressão (AIDS, imunodeficiências primárias, pacientes oncológicos em uso de quimioterapia, etc.);
  • Fumantes: ativos e passivos;
  • Etilismo crônico (alcoolismo);
  • Dependentes químicos.

Qual a relevância da pneumonia nos dias de hoje?

Estima-se que as pneumonias atinjam 12 casos para cada 1.000 habitantes por ano e que seja a principal causa de morte por doença infecciosa no mundo.

A pneumonia bacteriana é a segunda principal causa de óbito em crianças menores de 5 anos nas Américas. O pneumococo é responsável por aproximadamente 45% dos casos dessa doença. A pneumonia causada por ele mata 1,6 milhão de pessoas no mundo, sendo que 800 mil são crianças menores de 5 anos.

Tomar a vacina contra a gripe ajuda a evitar uma complicação mais grave causada pelas bactérias provenientes da pneumonia?

Sim. A influenza (gripe) provoca inflamação nas vias aéreas superiores (nariz, garganta) e inferiores (brônquios, alvéolos – pulmões) predispondo a produção de maior quantidade de secreção e, com isso, maior chance de desenvolver pneumonia.

A vacinação anti-influenza no início do outono tem se mostrado fundamental, tanto para diminuir os casos de influenza, quanto para prevenir suas complicações (otites, sinusites e pneumonias).

Quais são os melhores métodos para se combater a pneumonia?

Recomenda-se que tenha um estilo de vida saudável, alimentação balanceada, prática de atividade física regular, evitar ambientes mal ventilados ou com aglomerações, o tabagismo e abuso de substâncias nocivas. Recomenda-se também a vacinação contra o vírus influenza e contra o pneumococo.

Existem 3 vacinas anti pneumococo licenciadas no Brasil:

  1. A vacina anti pneumococo 10 valente: disponível na rede pública de saúde para crianças menores de 5 anos de idade;
  2. A vacina anti pneumococo 13 valente: disponível na rede particular de vacinação para crianças maiores de 2 meses e sem limite de idade;
  3. A vacina anti pneumococo 23 valente: disponível na rede pública de saúde para crianças acima de 2 anos, sem limite de idade e que apresentem co-morbidades (doenças crônicas como cardiopatias, asma, enfisema pulmonar, imunodepressão, etc).

No calendário de vacinação infantil, a Sociedade Brasileira de Imunização (SBIm) recomenda que seja feita a primo-vacinação logo aos 2 meses de idade com a vacina anti pneumococo 13 valente. Isso porque ela tem 3 sorotipos adicionais.

Quando isso não for possível, é recomendado que se faça a complementação do esquema feito na rede pública inicialmente com a vacina 10 valente, com doses complementares da vacina 13 valente.

Já com relação ao calendário do adolescente e adulto, a SBIm recomenda fazer a vacinação no esquema sequencial das vacinas anti pneumococo 13, depois 23 valente em casos de pacientes especiais (doenças crônicas, asma, imunodeficiência, etc).

Para pessoas maiores de 60 anos é recomendado no calendário de vacinação do Idoso da SBIm, fazer o esquema sequencial com as vacinas anti pneumococo 13 valente, seguida de reforço com 23 valente após 6 a 12 meses e novo reforço com a 23 valente após 5 anos.

Quais são os tipos de pneumonia e como identificá-los?

Existem as pneumonias virais e as bacterianas. As virais são mais comuns nos primeiros anos de vida e cursam com os seguintes sintomas de pneumonia: febre baixa (menor do que 38 graus), tosse e falta de ar (chiado no peito). Porém, a criança sempre estará bem-disposta, exceto pela tosse e pela dificuldade respiratória. Nesses casos a melhora se dá com uso de medicamentos que faça melhorar a falta de ar, repouso e hidratação.

Eventualmente será necessário internação. O principal causador dessas pneumonias é o vírus sincicial respiratório, causador da popular “bronquiolite”. No período neonatal, as pneumonias geralmente estão relacionadas a bactérias adquiridas intra-útero (estreptococos do grupo B, listéria monocytogenes e bactérias gran negativas).

As pneumonias bacterianas após o período neonatal são causadas, em sua maioria, pelo pneumococo seguida do hamophilus influenza tipo B e os não tipáveis.

Depois da introdução da vacinação anti haemophilus na rede pública de saúde, a pneumonia causada por essa  bactéria sofreu uma importante redução. Geralmente cursam com febre alta, tosse, falta de ar, vômitos, inapetência, prostração e gemência.

O tratamento, dependendo do estado geral do paciente, pode ser feito sem necessidade de internação, com uso de antibióticos por via oral. Nos casos de comprometimento do estado geral e extensão da pneumonia, haverá necessidade de internação.

Nos pré-escolares e na idade escolar, o pneumococo continua sendo o causador mais frequente de pneumonias, seguido das bactérias mycoplasma pneumoniae e chlamydia pneumoniae.

Nos adolescentes, adultos e idosos, o pneumococo continua prevalecendo cada vez mais de forma importante, e com maior incidência nos maiores de 60 anos. O diagnóstico se faz após exame clínico e radiológico. Eventualmente, exames de sangue complementares se farão necessários.

A pneumonia é uma doença grave!

Como você viu neste post, a pneumonia é uma doença muito grave. Por isso, mantenha o seu calendário de vacinação em dia para se proteger contra essa doença. Além disso, esteja sempre atento aos sintomas de pneumonia que podem passar despercebidos. Na dúvida, consulte seu médico.

Fontes:
https://www.sabin.org/sites/sabin.org/files/21_09__10_15__marcia_lopes_de_carvalho.pdf
http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs331/en/index.html https://sbim.org.br/calendarios-de-vacinacao 
http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v33s1/02.pdf

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *